A missão do cristão é ser sinal de Deus no mundo

julho 05 09:28 2016 Imprimir Este artigo

Cuidemos para não viver a alienação! Somos chamados a ser sinais de Deus neste mundo

Diácono Nelsinho Corrêa, nesta terça-feira, dia 5 de julho de 2016, no programa ‘Sorrindo pra Vida’, orienta-nos a vivermos a unidade e sermos sinais de Deus neste mundo.

A Palavra meditada está em São João 17,20:
“Eu não rogo somente por eles, mas também por aqueles que vão crer em mim pela palavra deles. Que todos sejam um, como tu, Pai, estás em mim, e eu em ti. Que eles estejam em nós, a fim de que o mundo creia que tu me enviaste. Eu lhes dei a glória que tu me deste, para que eles sejam um, como nós somos um: eu neles, e tu em mim, para que sejam perfeitamente unidos, e o mundo conheça que tu me enviaste e os amaste como amaste a mim”

Foto: Arquivo/cancaonova.com

Foto: Arquivo/cancaonova.com

Antes do Senhor viver Sua Paixão e Morte, Ele roga ao Pai que não nos tire do mundo, mas que nos guarde do mal. O cristão não deve ser alienado, mas deve estar no mundo sendo sinal de Deus. Não criamos filhos para o mundo, mas para o Senhor. Temos de estar no mundo, mas não nos conformarmos com ele.

O Senhor não nos tira do mundo, mas nos pede que vivamos a unidade. As fofocas nos dividem! Cuidado com a famosa “fofoca espiritual”, onde o cristão fica tão alienado com as coisas de Deus e usa da desculpa “vamos rezar para fulano, porque ele está vivendo isso”, mas é apenas um motivo para usar do problema do outro para falar dele.

Cristão tem de trabalhar pela unidade, pois a fofoca divide uma comunidade. O Senhor nos pede que sejamos um. Essa Palavra nos convida a vivermos a unidade e darmos testemunho disso.

A nossa palavra tem de ser de anúncio. Viver junto não é fácil, pois as diferenças existem. Ser diferente é bom, porque as diferenças somam. Que aceitemos o diferente! Diferenças não são barreiras, mas riquezas. Não é porque uma pessoa é diferente, que ela é nossa inimiga.

Não somos “extraterrestres”, o Senhor nos mandou neste mundo para sermos pessoas “normais”, e por estarmos no mundo, que Ele nos preserve do mal e nos ajude a preservarmos nossos filhos também. Isso não significa que devemos criá-los numa redoma, mas que Cristo nos auxilie a instruí-los.

Diácono Nelsinho Corrêa
Missionário da Comunidade Canção Nova

Transcrição e adaptação: Ariele Silva

 

Fonte: Canção Nova

Comente via Facebook

escreva um comentário

0 comentário

Ainda não há comentários!

Você pode ser o único a iniciar uma conversa.

Adicione um Comentário